21 de julho de 2012

Luz do luar


            É noite. Ela paga para que as pessoas a façam companhia. Insones. Olhos abertos, coloridos como corujas. Uns diferentes de outros. O homem do bar. O menino de rua com frio. A prostituta atormentada. A mulher casada infeliz. A criança que quer passar a noite acordada. Azul. Verde. Preto. Castanho. Vermelho. Pupilas dilatadas com a vigília.

            Já fui criança. Tive aqueles olhos atentos. Vidrados no relógio. O ponteiro que passa. Um minuto, uma hora... Vai logo. Rápido. Quero virar a noite. Saber como é ficar acordada. A atenção no quarto da mãe quieto. O medo de ela acordar. O gosto de dormir depois. Morto. Exausto. Com o ursinho preferido nos braços. Aquele nome ridículo infantil. Mas inocente. Essa inocência que conquista a verdade. E se perde.
            Se perde no problema. Na mentira. Na vida. E aí ficamos insones. Cada um com olhos diferentes. Rotinas estranhas. Uma teia de remorsos. Calúnias. Mentira em qualquer lugar.
            A noite não paga nada. Só é mais gentil do que o dia, porque esconde. Ofusca a lágrima. Não revela os olhos vermelhos que se iludiram. A maquiagem borrada.
            O sol escancara. Esquenta quem só quer um pouco de frio e o seu aconchego.
            A noite é pilantra. É assim. Porque espera à espreita. A lua vê tudo e mostra. Ninguém percebe. A luz não parece suficiente.
            Somos todos insones. Queremos esconder o medo. Mas a porta está ali, entreaberta. O monstro pode entrar.

0 comentários:

Postar um comentário