19 de maio de 2010

Senhor Gentileza

O senhor gentileza era uma pessoa maluca, eu tinha que admitir. Não entendia como aquele homem barbudo de uma natureza meio primitiva conseguia ficar o dia inteiro distribuindo papéis que motivavam a gentileza. Peguei o meu recado do dia e continuei andando, enquanto ria comigo mesma ao ler o que estava escrito:
“Você já disse eu te amo para seu amigo hoje?”
Era bonitinho, mas meio bobo. Tudo bem, dava aquela vontade de ligar pro amigo e logo dizer “eu te amo”, mas caramba... Que coisa mais... Careta!
Continuei a andar e larguei o papel para o vento. Este voou e caiu em uma poça d’água. Suas palavras logo se desmancharam juntamente com o papel pouco resistente. Peguei um ônibus, fui para casa e ao anoitecer liguei no noticiário da TV.
- João Carlos foi assassinado hoje por um policial que o confundiu com um bandido...
Parei perplexa e assisti a notícia ser exibida. Enquanto eu via a foto dele na minha frente, um flashback de horas antes veio em minha mente.
“Você já disse eu te amo para seu amigo hoje?”
Eu não tinha dito e nunca mais diria.

1 comentários:

lorrayne t. disse...

A vida é cheia de surpresas e o presente vira passado no minuto seguinte.

Postar um comentário